Política

Morre Leôncio Martins Rodrigues, referência na sociologia do trabalho, aos 87

03.05.2021

O sociólogo Leôncio Martins Rodrigues, referência no estudo do trabalho e do sindicalismo brasileiro, morreu nesta segunda-feira, 3, aos 87 anos. Ele foi professor de sociologia e ciência política na Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade de Campinas (Unicamp), e deixou uma extensa obra acadêmica sobre relações de trabalho na indústria, o papel do movimento sindical na política e a formação de partidos.

Martins Rodrigues nasceu em São Paulo em 1934, e se formou em ciências sociais aos 28 anos Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP. Foi um dos primeiros estudiosos da sociologia industrial, já em sua dissertação de mestrado, em 1964. Com a orientação do sociólogo Florestan Fernandes, defendeu em 1967 o doutorado “Atitudes Operárias na Indústria Automobilística”. Dois anos depois, participou da fundação do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap).

“Liberal por convicção, tinha um compromisso ético que o transformava, por vezes, em crítico incômodo de verdades estabelecidas, como se esperava de um intelectual genuíno”, destacou o Cebrap, em nota. “Na época mais dura do regime autoritário, exercitou sua solidariedade generosa e incondicional escondendo colegas perseguidos, ajudando outros de diversas formas.”

Na USP desde a década de 1960, ele migrou lentamente da sociologia do trabalho para a ciência política. Entre seus alunos estiveram desde Fernando Henrique Cardoso até o sociólogo Glauco Arbix, hoje também professor na mesma universidade. Martins Rodrigues foi contratado pela Unicamp em 1985, no programa de pós-graduação em ciência política. Do sindicalismo, migrou para a pesquisa sobre os partidos políticos, seus métodos de recrutamento e as origens sociais de seus dirigentes.

É de 2008 um de seus mais importantes livros, Mudanças na Classe Política Brasileira, na qual investiga como o Congresso Nacional se tornou mais popular e menos elitista, em sua composição, entre 1998 e 2002. Antes disso, ele registrava o declínio dos sindicatos em Destinos do Sindicalismo, de 1999, que mostrou o efeito das transformações nas relações de trabalho e das cadeias produtivas brasileiras no poder político das instituições que representam os trabalhadores.

Membro da Academia Brasileira de Ciências, foi homenageado em 2001 com a Ordem Nacional do Mérito Científico. Em 2009, recebeu o prêmio que leva o nome de seu orientador nos tempos de doutorado, concedido pela Sociedade Brasileira de Sociologia. Martins Rodrigues se aposentou em 2003 como professor da Unicamp, mas não interrompeu suas atividades de pesquisador no campo das ciências políticas. Nos últimos anos ainda participava de um estudo sobre a mudança no perfil dos parlamentares brasileiros.

A generosidade foi um dos traços mais destacados por colegas de profissão em manifestações de pesar. “Léo era bom de papo, curioso e generoso. Vai fazer falta nesse tempos anestesiados”, escreveu a historiadora Lilia Schwarcz, no Twitter.

“Grande estudioso dos partidos e sindicatos no Brasil, de uma geração notável de cientistas sociais”, escreveu o cientista político Cláudio Couto. “Lendo-o ou conversando com ele, aprendi muito.”

Fonte: Estadão Conteúdo

newsletter-img

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail. Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita. Inscreva-se e receba a newsletter

Posts relacionados

Política

Em carta a embaixador chinês, Pacheco destaca conduta externa responsável

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), em carta encaminhada ao embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, destacou a “conduta externa responsável e construtiva” adotada por ambos países. Pacheco também defendeu uma “configuração internacional” e “convergência entre nações” para superar desafios como o aquecimento global e o combate a doenças e à pobreza. “Disso […]

07/05/2021

Política

Maioria dos países adota cota para mulheres na política; 22,6% reservam cadeiras

Leis e normas para impulsionar a participação feminina na política estão presentes na maioria dos países do mundo, de acordo com a base de dados do Instituto para a Democracia e Assistência Eleitoral (International IDEA), uma organização intergovernamental composta por vários países. Numa lista de 124 nações analisadas pela entidade, 28 (22,6%) reservam cadeiras no […]

07/05/2021