Política

Eleições 2022: Ciro diz que lutará para disputar 2º turno como ‘obrigação moral’

10.06.2021

O vice-presidente do PDT e pré-candidato às eleições presidenciais de 2022 pelo partido, Ciro Gomes (CE), disse que lutará para disputar o segundo turno do pleito do ano que vem. Convicto de conseguir avançar na corrida eleitoral, Ciro diz que sua certeza não é apenas porque deseja estar na disputa, mas porque tem “obrigação moral” de dar ao povo brasileiro uma outra opção, que seja “escolher entre coisa ruim e coisa pior”, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ao presidente Jair Bolsonaro.

Em entrevista nesta manhã à Rádio Tupi, Ciro reforçou críticas aos dois políticos. Na avaliação dele, o Brasil se apresenta como um país “marginal” no exterior como resultado dos governos de Lula e Bolsonaro. Em um pedido à população, Ciro apela para que os candidatos sejam cobrados a identificar e refletir sobre as causas que “nos trouxeram a essa tragédia”. “E aí não vai ter jeito, as pessoas vão lembrar claramente que o Bolsonaro não caiu de paraquedas”, pontuou.

Ciro avalia que o resultado das eleições de 2018 que deu a vitória a Bolsonaro foi uma “revolta compreensível” da população contra os governos petistas e a corrupção. “Mas agora vamos deixar por menos só porque o Bolsonaro está traindo a sociedade brasileira?”, questionou. “Vamos mandar os dois brigarem lá fora e restabelecer um ambiente de compreensão, amor e diálogo”. “É por isso que eu vou lutar”, garantiu. Segundo ele, se a população não “forçar uma mão” no pleito de 2022, a disputa ficará entre Lula e Bolsonaro.

Pandemia

Ciro também fez críticas à atuação da gestão de Bolsonaro no combate à pandemia da covid-19. Segundo disse, em março do ano passado ele enviou uma carta ao chefe do Executivo e se pôs à disposição do presidente. Ciro afirma que, apesar de ter se declarado oposição no documento enviado, ele afirmou que “suspenderia a guerra” para agir junto contra o vírus.

Na carta, Ciro afirma que também sugeriu algumas medidas a serem adotadas, como a realização de testes em massa na população e a adoção de isolamento social radical no Brasil. “A gente tem que mostrar para o povo que não existe remédio para o vírus”, em referência à defesa de Bolsonaro da cloroquina no tratamento da doença.

Dentre as sugestões, Ciro reforçou que fez um apelo para que fosse garantido o auxílio emergencial de R$ 600 à população até que o País estivesse 75% vacinado. Segundo ele, também foram dadas sugestões de onde tirar o dinheiro para ser investido no benefício. “Todas as sugestões que eu fiz ele fez o oposto”, pontuou. “E aí não dá para a gente não chamar o Bolsonaro de traidor”, acrescentou.

Na segunda-feira (7), Ciro lançou uma campanha publicitária na qual defende o uso da palavra “traidor” para definir o presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, Bolsonaro “traiu” o eleitorado, a religião, as Forças Armadas e a democracia.

Fonte: Estadão Conteúdo

newsletter-img

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail. Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita. Inscreva-se e receba a newsletter

Posts relacionados

Política

Políticos lamentam a morte do ex-vice presidente Marco Maciel

Políticos lamentaram a morte do ex-vice presidente da República Marco Maciel, que morreu neste sábado, 12, em Brasília. O então político tinha 80 anos e era diagnosticado com Alzheimer. Antes de se tornar pessoa pública, ele atuava como advogado. Maciel foi vice-presidente durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, de 1995 a 2003. Além disso, […]

12/06/2021

Política

Apoiadores de Bolsonaro se concentram para motociata em SP

O trânsito nas Avenidas Olavo Fontoura, nos dois sentidos, e Santos Dumont, no sentido centro, está bloqueado para uma manifestação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro feita por motoqueiros na manhã deste sábado, 12. Os moradores da zona norte de São Paulo que desejam seguir para o centro têm de fazer desvio pela Avenida Braz […]

12/06/2021

Política

Marco Maciel morre aos 80 anos e Democratas enfatiza perfil íntegro

O ex-vice-presidente da República Marco Maciel faleceu nesta madrugada, aos 80 anos, em Brasília, de acordo com nota divulgada nesta manhã pelo presidente do Democratas, Antonio Carlos Magalhães Neto. ACM Neto e o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do mesmo partido, enfatizaram nesta manhã a postura íntegra de Maciel durante sua vida política. ACM lamentou […]

12/06/2021