Política

Bolsonaro tenta coroar aliança com o Centrão em eleição no Congresso

31.01.2021

Deputados e senadores vão eleger nesta segunda-feira, 1º, quem comandará a Câmara e o Senado pelos próximos dois anos, numa disputa que vai muito além dos interesses do Congresso. O resultado da eleição pode significar um cheque em branco nas mãos do presidente Jair Bolsonaro ao entregar a dois aliados dele a chefia do Legislativo. A interferência de Bolsonaro na campanha indicou que as práticas da velha política, com distribuição de cargos e verbas, sepultaram de vez a expectativa de renovação manifestada nas urnas, em 2018.

Ameaçado no cargo por 59 pedidos de impeachment, o presidente investiu pessoalmente na costura de acordos e na cooptação de votos para selar a eleição do deputado Arthur Lira (Progressistas-AL) e do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Para Bolsonaro, a eleição de Lira e Pacheco nas duas Casas do Congresso significa a blindagem do seu mandato.

Os dois indicaram, por exemplo, que são contrários a instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os erros do governo na condução da pandemia de covid-19 e também à abertura de processo de afastamento do presidente. “Não vou comprar briga nem procurar acotovelamento”, disse Lira. “Não podemos banalizar o instituto do impeachment”, afirmou Pacheco.

A vitória dos dois candidatos, se confirmada, também coroa o acordo de Bolsonaro com o Centrão. O grupo de centro-direita, sem apegos ideológicos e notabilizado pelo fisiologismo, ressurgiu em 2015 sob a liderança de Eduardo Cunha (MDB-RJ), que deixou a presidência da Câmara e acabou sendo preso.

Bolsonaro se aliou ao Centrão após embates com o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF) e a partir do avanço de investigações contra o seu núcleo familiar, principalmente sobre um esquema de “rachadinhas” no gabinete do atual senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) quando era deputado estadual no Rio.

Remanescente da “tropa de choque” de Cunha e réu na Lava Jato, Lira manifestava a intenção de presidir a Câmara desde 2018, mas nunca conseguiu se consolidar como sucessor do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que lançou a candidatura do deputado Baleia Rossi (MDB-SP).

Com sua ambição frustrada, Lira deixou o grupo de Maia e atualmente é o líder do Centrão, encabeçando uma bancada suprapartidária que reúne aproximadamente 200 dos 513 deputados. Trata-se de um núcleo acostumado a explorar oportunidades num Executivo de base congressual frágil.

O Estadão revelou que o governo liberou R$ 3 bilhões em recursos “extras”, do Ministério do Desenvolvimento Regional, para 250 deputados e 35 senadores destinarem a obras em seus redutos eleitorais. As tratativas foram conduzidas no gabinete do ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, que nega o balcão de negócios. Dos contemplados, grande parte declarou apoio aos candidatos do governo no Congresso.

Principal adversário de Lira, Baleia conseguiu o apoio de partidos que vão da centro-direita à esquerda, na maior frente ampla construída desde a redemocratização. O grupo é visto pelo Planalto como o primeiro passo de um movimento articulado para desgastar ainda mais Bolsonaro. Na prática, a aliança antibolsonarista pode representar um ensaio para a disputa presidencial de 2022.

Após as eleições no Congresso, Bolsonaro vai promover uma reforma ministerial. Na sexta-feira, ele condicionou a recriação dos ministérios da Cultura, do Esporte e da Pesca à vitória de seus aliados na Câmara e no Senado, mas sábado recuou e disse que essas pastas continuarão como secretarias. Indicou, porém, que Onyx Lorenzoni deve ser transferido do Ministério da Cidadania para a Secretaria-Geral da Presidência. Com isso será aberta uma vaga para o Centrão, provavelmente para o Republicanos, partido ligado à Igreja Universal. Cidadania é o ministério que cuida do Bolsa Família, programa que Bolsonaro pretende usar como passaporte para sua candidatura à reeleição, em 2022.

Contemplados até agora com cargos de segundo e terceiro escalões, os líderes do Centrão querem deixar a periferia do poder e mostram apetite por ministérios com orçamento bilionário. Além de Cidadania, estão na lista de desejos do bloco as pastas de Saúde, Desenvolvimento Regional e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O grupo também quer a recriação do Ministério da Indústria e Comércio Exterior.

A reta final da campanha tem sido marcada por defecções no arco de aliados dos candidatos adversários do Planalto. Baleia perdeu apoiadores atraídos pelas benesses oferecidas pelo governo e Simone Tebet (MDB-MS) também se viu abandonada na última hora por seu próprio partido, que preferiu rifar a candidatura dela ao comando do Senado e apoiar Rodrigo Pacheco, o nome avalizado pelo Planalto, em troca de cargos na Mesa Diretora.

“O jogo está pesado. Querem transformar o Senado num apêndice da Presidência. Não será possível dar saídas aos problemas da sociedade sem independência”, lamentou Tebet, que manteve a candidatura sem aval do MDB. Agora, o mais cotado para ocupar a primeira vice-presidência do Senado, caso Pacheco vença, é o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO).

Na Câmara, mesmo com as traições a Baleia, há chance de segundo turno. Ele formou uma frente que reuniu pela primeira vez partidos rompidos desde o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Mas o grupo começou a ruir. Baleia perdeu votos no DEM, PDT, PSDB e PSL. Alguns dos antigos aliados de Maia, artífice da candidatura, mudaram de lado na semana passada.

Antes, todos frequentavam a residência oficial, num grupo apelidado de “expresso da meia-noite” — costumavam chegar tarde aos encontros noturnos de Brasília, regados a vinhos e destilados, onde se discutem os rumos da política. Um deles, que celebrou a primeira eleição de Maia para a Câmara, ocorreu no apartamento funcional que ele dividia com Elmar Nascimento (DEM-BA). Embora morasse junto com Maia, Elmar rompeu com ele ao ser preterido como candidato e hoje trabalha para eleger Lira.

O “malvado favorito” de Bolsonaro, aliás, era do mesmo grupo, que também incluía Alexandre Baldy (PP), Marcos Pereira (Republicanos-SP), Paulinho da Força (Solidariedade-SP) e Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

A saída de Maia deve abrir espaço à pauta conservadora gestada por Bolsonaro. Por outro lado, reformas da agenda econômica do governo avançaram, agora devem esbarrar no desinteresse do presidente e da nova cúpula parlamentar, como a trava nas privatizações, que levou a debandadas no meio empresarial. Uma reforma administrativa se choca com a prometida criação de ministérios.

Na tributária, há conversas para ressuscitar a CPMF. O presidente quer facilitar acesso a armas, aprovar o excludente de ilicitude policiais. E seus novos aliados pretendem liberar os jogos de azar. Lira Simpatiza com a ideia. A jogatina é bandeira do presidente do Progressistas, o senador Ciro Nogueira (PI), e os desertores do DEM baiano Elmar Nascimento e Paulo Azi. Além disso, ele tende a reduzir a transparência na condução da Câmara. Já avisou que não dará entrevistas diárias e que pretende desalojar o comitê de imprensa de perto do plenário.

Aliados de Baleia apostam nas “surpresas” em eleições na Câmara. O caso mais lembrado nos anais da Casa é a vitória de Severino Cavalcanti (PP-PE). Em 2005, ele ganhou explorando divisões na base do governo Luiz Inácio Lula da Silva. O candidato oficial do PT era o ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh. Na véspera da votação, ele promoveu churrasco numa mansão do Lago Sul, bairro nobre de Brasília. Ministros, parlamentares e dirigentes partidários compareceram em peso. Foram 192 deputados, da direita à esquerda. Todos se convenceram do favoritismo de Greenhalgh, mas as urnas guardavam um revés ao governo. Os deputados foram à festa, mas não votariam no petista.

Apoiadores do candidato do MDB não esquecem o episódio. Apostam justamente nessa virada em massa para levar a eleição ao segundo turno. Dizem que os deputados estão acuados pela “chantagem”palaciana e darão o troco na urna. Segundo propagam, congressistas declaram voto pró-Planalto apenas como forma de defesa, mas seriam contra Lira.

“Tem uma parte da eleição que não se percebe a olho nu. Ela é subterrânea, está abaixo da linha dágua, pertence aos bastidores”, diz o ex-ministro e ex-presidente da Câmara Aldo Rebelo, hoje sem partido, mas sempre auscultado pelo generalato das Forças Armadas e até pelo Planalto. “Nem o candidato apoiado por Bolsonaro é tão situação como se diz, nem o outro é tão oposição como se fala. Nem Lira vai segurar Bolsonaro, nem Baleia vai derrubá-lo. Um presidente que depende de ter como fiador de seu poder o presidente da Câmara é porque está muito fraco.”

Outra suspeita é quanto dura a lealdade de Lira a Bolsonaro. E quem terá mais força na relação. Reservadamente, dirigentes partidários calculam as chances de Bolsonaro virar “refém” de Lira. O ex-senador Eunício Oliveira (MDB-CE), presidente do Congresso quando Bolsonaro assumiu o poder, afirma que o Planalto pode conseguir uma vitória de “Pirro”.

“Ninguém é presidente de dois poderes ao mesmo tempo”, alerta o emedebista, partidário de Baleia. Embora contrário ao impeachment, Eunício diz que Bolsonaro desequilibrou o jogo e que deputados poderão radicalizar contra as pautas do governo em reação. “Não é bom nem para o Executivo. Ele ganha, mas não leva. O presidente da Câmara pode muito, mas não pode tudo. Esses ímpetos sem dimensão não contribuem. É a desmoralização total da democracia a distribuição de R$ 3 bilhões em meio à academia. Não tem dinheiro para comprar vacina, mas tem para comprar voto.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Estadão Conteúdo

newsletter-img

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail. Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita. Inscreva-se e receba a newsletter

Posts relacionados

Política

Políticos lamentam a morte do ex-vice presidente Marco Maciel

Políticos lamentaram a morte do ex-vice presidente da República Marco Maciel, que morreu neste sábado, 12, em Brasília. O então político tinha 80 anos e era diagnosticado com Alzheimer. Antes de se tornar pessoa pública, ele atuava como advogado. Maciel foi vice-presidente durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, de 1995 a 2003. Além disso, […]

12/06/2021

Política

Apoiadores de Bolsonaro se concentram para motociata em SP

O trânsito nas Avenidas Olavo Fontoura, nos dois sentidos, e Santos Dumont, no sentido centro, está bloqueado para uma manifestação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro feita por motoqueiros na manhã deste sábado, 12. Os moradores da zona norte de São Paulo que desejam seguir para o centro têm de fazer desvio pela Avenida Braz […]

12/06/2021

Política

Marco Maciel morre aos 80 anos e Democratas enfatiza perfil íntegro

O ex-vice-presidente da República Marco Maciel faleceu nesta madrugada, aos 80 anos, em Brasília, de acordo com nota divulgada nesta manhã pelo presidente do Democratas, Antonio Carlos Magalhães Neto. ACM Neto e o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do mesmo partido, enfatizaram nesta manhã a postura íntegra de Maciel durante sua vida política. ACM lamentou […]

12/06/2021